As histórias por trás de tudo o que gira e girou á volta das 7 maravilhas portuguesas.

.posts recentes

. Anta da Coutada de Barbac...

. Anta da Coutada de Alcogu...

. Anta da Casa dos Galhardo...

. Feliz Natal

. Anta da Cabeça Gorda - Ar...

. Anta da Barrosa - Arqueol...

. Anta da Arca - Arqueologi...

. Anta da Aldeia da Mata - ...

. Anta da Aboboreira - Arqu...

. Anta 1 da Herdade do Silv...

.arquivos

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

Segunda-feira, 24 de Dezembro de 2007

Anta da Cabeça Gorda - Arqueologia - Anta

Conhecidos desde a segunda metade do século XIX, os monumentos megalíticos da região de Elvas suscitaram sempre o interesse de vários estudiosos. Mas, à medida que fixavam o olhar de especialistas, atraiam também a curiosidade de especuladores, os quais, na sua permanente busca de “antiguidades” vendáveis, calcorreavam de forma incessante o interior do país, adquirindo objectos que pudessem ser facilmente adquiridos por coleccionadores particulares, sobretudo estrangeiros. Não obstante a perda de algum espólio e a sua descontextualização, devemos ao eminente pré-historiador francês Émille Cartailhac (1845-1921) e ao fundador da Real Associação dos Architectos Civis e Archeologos Portuguezes, J. Possidónio N. da Silva (1806-1896), as primeiras investigações realizadas no terreno neste âmbito, prosseguidas, já no século seguinte, por José Leite de Vasconcelos (1858-1941), Afonso do Paço (1895-1968), Eugène Jalhay (1891-1950), Savory, Octávio da Veiga Ferreira (1917-?) e Abel Viana (?-1964). A sua obra precursora seria coroada com a classificação de grande parte destes exemplares megalíticos como “Monumento Nacional”, em finais dos anos trinta, numa altura em que se procediam a várias pesquisas nos arredores de Barbacena, conduzindo-se o espólio exumado para diversas instituições, como nos casos dos museus da Câmara Municipal de Elvas, da Casa de Bragança e Geológico de Lisboa, que, já na década de cinquenta, Georg e Vera Leisner identificaram, desenharam e fotografaram parcialmente.

Classificada como “Monumento Nacional”, a “Anta da Cabeça Gorda” foi erguida durante o Neo-calcolítico de modo isolado num local coberto por densa vegetação, pertencente à Herdade de Fontalva, situada em Barbacena, a 16 km de Elvas. Da primitiva estrutura funerária chegaram até nós apenas alguns esteios, actualmente derrubados, que terão sido originalmente afeiçoados de forma irregular. Aparte estes elementos, regista-se ainda a presença de alguns blocos graníticos nas suas imediações, que poderão ter pertencido à sua estrutura inicial, constituída por uma câmara funerária com, ou sem, corredor, que o tumulus cobriria total ou parcialmente.
publicado por 7maravilhaspt às 11:22
link do post | comentar | favorito

.participe!

Participe e veja a sua história publicada neste blog enviando as suas histórias para 7maravilhaspt@sapo.pt.

.pesquisar

 

.Janeiro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.links

.subscrever feeds