As histórias por trás de tudo o que gira e girou á volta das 7 maravilhas portuguesas.

.posts recentes

. Anta da Coutada de Barbac...

. Anta da Coutada de Alcogu...

. Anta da Casa dos Galhardo...

. Feliz Natal

. Anta da Cabeça Gorda - Ar...

. Anta da Barrosa - Arqueol...

. Anta da Arca - Arqueologi...

. Anta da Aldeia da Mata - ...

. Anta da Aboboreira - Arqu...

. Anta 1 da Herdade do Silv...

.arquivos

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

Domingo, 23 de Dezembro de 2007

Anta da Barrosa - Arqueologia - Anta

Outras Designações:

Lapa dos Mouros

Actualmente no seio da povoação de Âncora, a “Anta da Barrosa” foi objecto de classificação, como “Monumento Nacional”, logo em 1910, certamente por constituir o maior e mais bem preservado monumento megalítico de todos quantos foram identificados até à data no Vale de Âncora.

Escavado em 1879 pelo conhecido investigador vimarenense de oitocentos, Francisco Martins de G. M. Sarmento (1833-1899), numa altura em que a temática dolménica assumia proporções verdadeiramente inauditas junto da comunidade científica europeia da época, a anta foi, já em meados do século passado, estudada por João de Castro Nunes.

Trata-se de um monumento constituído, como os demais pertencentes a esta tipologia, por câmara sepulcral de planta poligonal formada por oito esteios e respectiva laje de cobertura - ou “chapéu” -, para além do corredor com cerca de um metro e meio de largura por seis de comprimento, ainda que não pareçam subsistir quaisquer vestígios de mamoa - ou tumulus - que a pudesse cobrir originalmente na totalidade. Estas dimensões estarão, na verdade, na base da hipótese de trabalho levantada pela conhecida arqueóloga alemã Vera Leisner, que inseriu este exemplar na tipologia genérica dos dolmens de corredor do Noroeste Peninsular e, dentro desta, no sub-agrupamento caracterizado pela indiferenciação revelada entre câmara funerária e corredor.

Entretanto, a investigação realizada por J. de Castro Nunes permitiu identificar a existência, na superfície de três lajes, de motivos decorativos típicos deste “mundo dolménico”, com serpentiformes e signos em forma de “U”, aqui executados através do método da percussão.

O início do século XXI trouxe, contudo, outras novidades relativas à História do sítio, ao serem encontrados vestígios de uma ocupação romana nas suas imediações, ao que tudo indica, entre os séculos I e II d. C., como parece indicar a análise dos fragmentos de cerâmica comum e de alguns materiais de construção, como telha romana - tegulae -, num testemunho mais da reutilização periódica (quando, não mesmo, sistemática) dos mesmos espaços simbólicos para, não apenas, apreender o seu significado preexistente, como sobrepor um novo poder temporal mediante a apropriação (ou, talvez, sobreposição ao) do poder espiritual.
publicado por 7maravilhaspt às 11:30
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Vanessa a 14 de Junho de 2009 às 19:02
Nossa só acho que devido o valor cultural do local , o mesmo deveria estar em melhores apresentações . Em vista ao local achei totalmente abandonado ....

Comentar post

.participe!

Participe e veja a sua história publicada neste blog enviando as suas histórias para 7maravilhaspt@sapo.pt.

.pesquisar

 

.Janeiro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.links

.subscrever feeds